Artist Statement

​​I have spent lifetime collecting stories of violence in our postmodern society. Through an investigation of collective memories relating to the collective experience of Brazil fractured history, I examine public and private archives, re-contextualizing documents and rescuing stories from oblivion. In most cases, the oucomes are uncertain and I am forced to use fiction. Thus, I lie to tell the truth. I look into the causes and effects and how they are translated into everyday life and cultural form. My interest is not in the act of remembrance, but rather the memory of forgetfulness.

 

My sculptures, installations and photographs articulate memory as a displacement of past into present. In addition, language, institutional blankets, found objects and other materials are implied, to remind us that all memory is re-collection, but also indicative of ways artifacts conflate notions of history and memory. In retracing history through images, ritual objects, literature, poetry, sound and song, I create meditative installations that do aim to represent trauma or social and political situation.

 

In this way, I play the role as an observer, interpreter, collector, a character, and a critic of signs, images, words, traces of stories on violence. My work is a result of a collection of stories of missing people, homeless, prisoners, schizophrenics, mental illness, the elderly, mentally tortured people, and those who lost their memories and disappeared.

 

Por um longo tempo tenho colecionado estórias sobre violência na nossa sociedade pós moderna. Através de uma investigação sobre memórias coletivas ligadas à experiência coletiva de um Brazil com uma história fraturada, examino arquivos públicos e privados, recontextualizando documentos e resgatando estórias do esquecimento. Em muitos casos os resultados são incertos e sou forçada à ficção. Assim, minto para falar a verdade. Olho para as causas e efeitos e como estes são traduzidos no dia-a-dia e na forma cultural. Meu interesse não é no ato do relembrar,​​ mas na memória do esquecimento.

 

Minhas esculturas, instalações e fotografias articulam memória como um deslocamento do passado no presente. Ainda, linguagem, cobertores instotucionais, objetos encontrados e outros materiais são usados para lembrarmos que toda memória é uma re-coleção, mas também um indicativo de caminhos em que artefatos fundem noções de história e memória. Ao retraçar histórias através de imagens, rituais objetos, literatura, poesia, som e música,  crio instalações meditativas que apontam e representam trauma ou uma situação social e política. 

 

Desta forma, atuo como observadora, intérprete, colecionadora, uma personagem e uma crítica de signos, imagens, palavras, vestígios de estórias sobre violência. Meu trabalho é o resultado de uma coleção de estórias sobre pessoas desaparecidas, moradores de rua, prisoneiros, esquizofrênicos, doentes mentais, idosos, pessoas mentalmente torturadas, e aqueles que perderam a memória e disapareceram.